18/09/15

Dos problemas em aprender

Pensava que se escrevia doutoura e siosa, mas afinal é doutora;
ciciosa para uma coisa e ciosa para outra.

Conversinhas

Fosse eu ministra da cultura e toda a gente era obrigada a aprender língua gestual para poder conversar à vontade nas bibliotecas.

(E nas discotecas, e nos transportes e... todo um mundo em silêncio, ai que bom.)

Das músicas que oiço

Não sei bem porquê, mas achei que queria deixar registado, para memória futura, as músicas que mais oiço agora. Estão aqui reunidas.

15/09/15

Astrologia

No próximo mês vou defender a tese, entrar em doutoramento, entrar num outro curso, mudar de casa e mudar de espaço de trabalho. Estou à espera que, astrologicamente, os planetas estejam alinhadíssimos.

O bocal do telefone fixo

Quando era criança e falava ao telefone fixo, lambia o bocal; tinha um prazer secreto em ver as outras pessoas falarem para ali, no seco-lambido.

Das relações cortadas

Nunca havia cortado a minha relação com alguém.

Achei que era pouco humana a sua postura perante a própria vida. Nunca me tinha passado pela cabeça deixar de falar com alguém por se posicionar de uma forma absurda sobre o que quer que seja. Quanto mais penso nisso, mais acho que tenho razão e menos confortável me sinto.

Ocorre-me um filme que vi do meu pai, uma hora de vídeo em cassete, em que ele está sentado no sofá da sua sala a fumar e a ver o amanhecer. Não é romântico, é de partir o coração, porque não acontece nada, mas está cheio de culpa. É mais ou menos assim que me sinto: cheia de culpa, com a diferença que eu não fiz nada, só avaliei o acto e reagi. Ele tinha feito.

14/09/15

Do dia (37)

Levantei-me às sete. Tomei banho e dei muitos mimos porque a pele da Anita cheirava a pudim e pudim dá-me sensação de amor. Fiz uma viagem de autocarro tão agradável dentro da minha cabeça, que nem fiquei mal disposta. Passei o psicólogo a falar da ana de amesterdam e da minha mãe. Exaltei-me muito e precisei de mais de uma hora para recuperar. Entornei água por cima da empada, comi assim mesmo e vou ler durante o resto do dia. É a minha única semana de férias desde setembro passado.

Oração


(É das músicas mais doces que já ouvi.
Que pequena maravilha.)

O coração não é tão simples quanto pensa
nele cabe o que não cabe na despensa.

13/09/15

O Spongebob

O Simão tem oito anos:

- Simão, já pensaste que o Spongebob fica sem respirar durante o episódio todo?
- Então! Eles param a gravação para ele vir cá acima respirar e depois quando chega lá abaixo, continua.


08/09/15

Sobre os fantasmas

O inimigo é sempre inventado, construído. Precisamos dele para definir a nossa identidade.

Umberto Eco, desta entrevista.

A questão de existir um deus

Alguém perguntou ao sr. K se existe um Deus. O sr. K. respondeu: "Aconselho refletir se o seu comportamento mudaria conforme a resposta a essa pergunta. Se não mudaria, podemos deixar a pergunta de lado. Se mudaria, posso lhe ser útil a ponto de dizer que você já decidiu: você precisa de um Deus". 

A questão de existir um Deus, B. Brecht

06/09/15

A minha avó ligou-me

e disse que estava a deixar secar o jardim, a reforma não lhe chegava para a água da rega. Mais cedo ou mais tarde tinha que secar, mais valia que fosse agora, enquanto ela ainda pudesse ver. Disse que fala com as plantas todos os dias até secarem e que isso lhes dá uma morte acompanhada. Eu fiquei a pensar que ultimamente me liga mais do que nunca.

Estes dias (foram brancos)



Eu - na última semana

Tão alinhadinha por dentro,
que até parece mentira.