01/08/15

Do fingimento

Levanta-se sempre mais cedo que eu e leva-me fruta à cama. Deixa-me comê-la em silêncio e eu gosto e finjo que resmungo de sono só para receber mais um beijinho. Ela finge que não percebe que é de mimo e dá beijinho à mesma.
Nunca mais fingi saudades quando o que queria era estar sozinha. Há poucas pessoas que se mostrem todas e eu acho que me tornei numa delas. Era tão dissimulada só para agradar.

Sem comentários: