31/08/15

Os nomes

Perguntaram-me se tinha dado este nome ao blog porque gostava de médicos.

Sobre aquecer

Fui uma menina demasiado protegida
(...)
e eu voltei para casa de minha mãe
onde fazia mais frio que na Holanda.

Adília Lopes, Obra, A poor young shepherd (a primeira frase), Os abafos (o restante).

Estes dias (foram redondos)






29/08/15

A minha avó (5) - dotes culinários

'Avó?'
'O que é que queres?'
'Como é que se fazem carapaus alimados?'
'Arranjas os carapaus...'
'Mas eu não sei arranjar!'
'Então e já entregaste o teu trabalho?'

(Tenho uma avó que confia pouco na minha capacidade de arranjar peixe. Injusto.)

A minha avó (4)

'Avó, preferias estar viva ou morta?'
'Viva! Não sei se depois quando morrer não vai ser aborrecido...'

(sei onde fui buscar o optimismo!)

21/08/15

O meu ex-professor convidou-me para ir falar à escola secundária sobre as minhas experiências por lá e posteriores

Aqui têm, não precisam de mim.

Eu a achar que tinha imenso potencial literário

Escrevi uma vez um conto sobre uma rapariga que estava presa no quarto e quando descobria como é que se abria a porta, o mundo tinha acabado e só sobrava o seu quarto, o que fazia com que ela acreditasse que estar preso é melhor que estar livre. Depois, morria de fome.

Trágico.

Esta ideia iluminada ocupou umas boas quarenta páginas. Terminei e achei que devia publicar nalgum lado. Senti agora desejo de satisfazer a Laura adolescente.

Uma questão de género

A minha família só tem mulheres.

De novo a minha avó (3) - Prioridades divinas

'Oh avó, gostas mais de mim ou de Deus?'
'Ai filha, deixa-me em paz.'
'Eu acho que devias gostar mais de mim, porque estou mais vezes contigo do que Deus e elogio sempre a tua comida.'
'Eu não tenho que cozinhar para Deus.'


De novo a minha avó (2)

A minha avó arranjou um namorado com menos dez anos que ela. É moreno, tem olhos azuis e é simpaticíssimo. Quando lhe perguntei se eram namorados, disse-me que eram companhia um do outro, que pessoas da idade dela já não namoram, só dormem juntos e dão beijinhos na boca por companhia.
Descobri que a minha avó é adolescente e está a ter uma curte prolongada.

O mesmo livro

Descobri que dois andares acima há um vizinho que tem o mesmo livro que há no quarto. Há qualquer coisa de romântico nisto: no mesmo prédio, duas pessoas que não se conhecem têm o mesmo livro e até o podem ler ao mesmo tempo.
É como se fosse uma ligação invisível, ainda por cima através da Adília Lopes, que liga tudo a tudo.

18/08/15

De novo a minha avó

A minha avó chama-se Maria Vieira da Silva. Só que é 'de Fátima', não é Helena.
Ainda esperava que a genética dos nomes me pudesse dar outros destinos mais artísticos, mas aquilo que herdei não passou da capacidade de fazer ervilhas com ovos.

16/08/15

Das profissões

'Ernst Junger nasceu a 29 de Março de 1895 em Heidelberg. (...) romancista, ensaísta, teórico, naturalista, diarista.'

Sou eu. Diarista.

Votar

1) Eu não votaria num partido que utilizasse modelos para fazer a sua publicidade política sem o seu consentimento; por isso não votaria no PS.
2) Também não votaria num partido que utilizasse como trunfo o erro cometido pelo partido 1) para se vangloriar, só porque as pessoas nos seus cartazes deram consentimento - são efectivamente modelos. Por isso, não votaria no PSD.
3) Por último, não votaria num partido que, além de cumprir 2), ainda acentuasse mais o erro do adversário (?), produzindo cartazes que enxovalham qualquer um. Por isso, não votaria no BE.

Eu gosto tanto de política, de teoria política, mas detesto este disparate todo. A capacidade de se identificarem com 'as pessoas pobres e desempregadas' é proporcionalmente inversa à capacidade de se identificarem com gente de outros partidos que não o seu.
É de uma falta de empatia incrível.

Do trabalho

Acho que sempre que tenho que escrever alguma coisa académica, sai meio panfletário, meio piroso.

Siempre me quedara


Hay un trozo de luz 
en esta oscuridad 
para prestarme calma.

13/08/15

O Cantador


Esta música é uma das minhas de eleição.
Cantada pelo meu conterrâneo ;)

Vontade individual

O Estado não pode abdicar da pretensão de determinar a vontade individual de especular sobre ela e de contar com ela. Para ele é absolutamente necessário que ninguém tenha vontade própria; se alguém a tiver, o Estado tem de a eliminar (prendendo-o, exilando-o, etc.); se todos a tivessem, poderiam abolir o Estado.

Max Stirner

Ao telefone

- Então, o que tens feito?
- A minha tese... Estou cansada disto...
- Ainda? Mas ainda não acabou?

NÃO, NÃO ACABOU, SEU F*DAMÃE! AGORA CALA-TE E DEIXA-ME TRABALHAR.

(O meu estado de irritação obriga-me a fechar a loja.)

12/08/15

Hoje:

Não te esqueças do entusiasmo, Laura
não te esqueças!

Regresso

Regressámos das férias à pressa porque nenhuma de nós aguentava estar longe das nossas coisas. A nossa vida é muito melhor durante o ano inteiro; para quê fazer pausas naquilo que é bom?

10/08/15

Sobre rezar

Sempre achei que, onde fica o Oeste, devia ficar o Este. Nem sequer sei onde é que está o mar ou o rio e foi isso que me fez pensar que, se fosse Muçulmana, as rezas iriam sempre parar às cidades erradas.

Eu - Quando estou a precisar de uma conversa

Um dia todo em silêncio,
uma sopa quentinha
má poesia
e conversar a sério.

Ter coisas urgentes

e nada parecer realmente urgente.

Zero

Zero visualizações hoje, neste blog.
Tão sozinha, tão bom.

03/08/15

Agradecimentos

Há dois meses, os agradecimentos da minha tese ocupavam uma página inteira.
Hoje, ocupam quatro linhas incompletas. De repente, tenho pouco a justificar para fora e nem um único agradecimento por favor.



David Lynch sobre o seu futuro

I don’t know what my future is. I don’t have a clue what I’m going to be able to do in the world of cinema.

02/08/15

Sobre pecar

O seu [dos cristãos] único pecado é a sua imaginação.

Max Stirner, O Único e a sua Propriedade, p. 281

Carta ao Pai (20)


Ignorar teu choro
E só cuidar de mim.

Sobre os sentidos

Nós temos cinco sentidos, mas isso não quer dizer que não haja mais elementos para captar. Nós também não podemos comparar a nossa inteligência com a de um cão, porque o cérebro deles é diferente e serve outro organismo. O cérebro do Passos Coelho, por exemplo, não serviria de nada a uma vaca. Os nossos sentidos influenciam o nosso pensamento e têm uma interligação entre eles. Eu não tenho olfato, mas é espantoso porque há memórias que sinto no nariz. Lembro-me de ir a uma loja com o meu pai comprar uma caixa de lápis de cor. Essa recordação está no nariz, mas não tem cheiro porque nunca tive olfato.

Desta entrevista, com António Victorino d'Almeida

01/08/15

Do fingimento

Levanta-se sempre mais cedo que eu e leva-me fruta à cama. Deixa-me comê-la em silêncio e eu gosto e finjo que resmungo de sono só para receber mais um beijinho. Ela finge que não percebe que é de mimo e dá beijinho à mesma.
Nunca mais fingi saudades quando o que queria era estar sozinha. Há poucas pessoas que se mostrem todas e eu acho que me tornei numa delas. Era tão dissimulada só para agradar.

Drão

Os pecados são todos meus
Não há o que perdoar
Por isso mesmo é que há-de haver mais compaixão.