18/12/15

Ridículo

Quando a pessoa se apercebe do seu próprio ridículo - hoje, eu no banho, a dizer que as pessoas queriam era ser ouvidas, fazendo-me ouvir a uma outra pessoa - acaba por retirar daí mais do que vergonha.

30/11/15

Serviços

Não sei para que servem os pais na adultez. Melhor: servem para serem pessoas como as outras e para merecerem ou não o nosso amor. 

A mãe da minha mãe é manipuladora. Oitenta anos de manipulação do mundo, mais cinquenta de filha, vinte e tal de neta. Tanto que dói. 'A ver sempre tudo' que dói.

23/11/15

Stirner - outra vez

Quando se encontra uma musa, não se deve abandoná-la, certo?

'Na obra de Stirner, há um desassossego interior provocado pela ênfase, talvez excessiva, posta no Eu.' (M. Stirner, Textos dispersos, p.24)

Que entusiasmo com este tipo.

18/11/15

Eu acredito que:


c) que a única diferença entre os seres humanos é a inteligência;

d) que o único critério para uma acção é a felicidade ou a infelicidade individual que em última instância ela produz;

Susan Sontag, Diários, p. 17.

Bloqueio por desinteresse

Cada vez me interessa menos fazer qualquer tipo de comentário sobre a actualidade. Já nem me irritam os comentários dos outros quando não partilhamos opinião. De repente, tudo parece tão fácil e imediato.

Comprometi-me a escrever um texto sobre a actualidade política para outro blog duas vezes por mês. E, contra todas as probabilidades, o voo de uma mosca é mais interessante do que aquilo que é actual, que se desactualiza passadas horas. Ao menos, uma mosca voa para pousar noutro sítio qualquer. Comentários políticos são cuspir para o ar.

Teoria política é outra história.

11/10/15

08/10/15

Crescer

Pesado,
cresço para baixo,
lanço
raízes para o fundo,
(...)

Johannes Bobrowski, Terra de Sombras. Rios, Cotovia, p.43.

Biografia de Goethe

VITA

No dia 28 de Agosto de 1749, ao bater da última badalada do meio-dia, vim ao mundo em Francoforte de Meno. A constelação era propícia: o Sol estava ni signo da Virgem, e chegava ao zénite nesse dia;

Júpiter e Vénus olhavam-no com simpatia, e Mercúrio não lhe era adverso;

Saturno e Marte mortavam-se indiferentes: só a Lua, que acabara de ficar cheia, exercia a acção mais oposta do seu brilho, em vez que tinha entrado nesse momento no seu período planetário.

Por isso se opôs ao meu nascimento, que só se pôde concretizar depois de passada essa hora.

Estes bons auspícios devem ter sido a causa da minha salvação: pois devido a uma falha da parteira, deram-me por morto à nascença, e só com muitos esforços se conseguiu que eu visse a luz do mundo.

Goethe, Erotica e Curiosa, Apáginastantas: Lisboa 1985, p.77.

05/10/15

Pessoas à direita

É lixado ter um psicólogo à direita e reclamar, na própria consulta, quão triste estou por a direita ter vingado, nivelando por baixo. 
É triste, triste, triste.

02/10/15

A minha avó (7)

A primeira vez que ouvi a minha avó dizer 'merda' foi a abrir uma carta.
'Merda!'
'Oh avó, não se dizem palavrões!'
'Não foi a avó que disse, ele saiu de dentro do envelope. Foram os senhores que puseram a carta lá dentro que disseram primeiro e agora ele teve que sair'.

01/10/15

Meditação forçada

'Como se cedesse a alguma urgente necessidade íntima, começou a olhar para todos os objectos que encontrava no caminho, como se procurasse à força uma distração; mas não o conseguia completamente e afundava-se em meditações.'

F. Dostoievsky, Crime e Castigo, p. 46, desta edição.

18/09/15

Dos problemas em aprender

Pensava que se escrevia doutoura e siosa, mas afinal é doutora;
ciciosa para uma coisa e ciosa para outra.

Conversinhas

Fosse eu ministra da cultura e toda a gente era obrigada a aprender língua gestual para poder conversar à vontade nas bibliotecas.

(E nas discotecas, e nos transportes e... todo um mundo em silêncio, ai que bom.)

Das músicas que oiço

Não sei bem porquê, mas achei que queria deixar registado, para memória futura, as músicas que mais oiço agora. Estão aqui reunidas.

15/09/15

Astrologia

No próximo mês vou defender a tese, entrar em doutoramento, entrar num outro curso, mudar de casa e mudar de espaço de trabalho. Estou à espera que, astrologicamente, os planetas estejam alinhadíssimos.

O bocal do telefone fixo

Quando era criança e falava ao telefone fixo, lambia o bocal; tinha um prazer secreto em ver as outras pessoas falarem para ali, no seco-lambido.

Das relações cortadas

Nunca havia cortado a minha relação com alguém.

Achei que era pouco humana a sua postura perante a própria vida. Nunca me tinha passado pela cabeça deixar de falar com alguém por se posicionar de uma forma absurda sobre o que quer que seja. Quanto mais penso nisso, mais acho que tenho razão e menos confortável me sinto.

Ocorre-me um filme que vi do meu pai, uma hora de vídeo em cassete, em que ele está sentado no sofá da sua sala a fumar e a ver o amanhecer. Não é romântico, é de partir o coração, porque não acontece nada, mas está cheio de culpa. É mais ou menos assim que me sinto: cheia de culpa, com a diferença que eu não fiz nada, só avaliei o acto e reagi. Ele tinha feito.

14/09/15

Do dia (37)

Levantei-me às sete. Tomei banho e dei muitos mimos porque a pele da Anita cheirava a pudim e pudim dá-me sensação de amor. Fiz uma viagem de autocarro tão agradável dentro da minha cabeça, que nem fiquei mal disposta. Passei o psicólogo a falar da ana de amesterdam e da minha mãe. Exaltei-me muito e precisei de mais de uma hora para recuperar. Entornei água por cima da empada, comi assim mesmo e vou ler durante o resto do dia. É a minha única semana de férias desde setembro passado.

Oração


(É das músicas mais doces que já ouvi.
Que pequena maravilha.)

O coração não é tão simples quanto pensa
nele cabe o que não cabe na despensa.

13/09/15

O Spongebob

O Simão tem oito anos:

- Simão, já pensaste que o Spongebob fica sem respirar durante o episódio todo?
- Então! Eles param a gravação para ele vir cá acima respirar e depois quando chega lá abaixo, continua.


08/09/15

Sobre os fantasmas

O inimigo é sempre inventado, construído. Precisamos dele para definir a nossa identidade.

Umberto Eco, desta entrevista.

A questão de existir um deus

Alguém perguntou ao sr. K se existe um Deus. O sr. K. respondeu: "Aconselho refletir se o seu comportamento mudaria conforme a resposta a essa pergunta. Se não mudaria, podemos deixar a pergunta de lado. Se mudaria, posso lhe ser útil a ponto de dizer que você já decidiu: você precisa de um Deus". 

A questão de existir um Deus, B. Brecht

06/09/15

A minha avó ligou-me

e disse que estava a deixar secar o jardim, a reforma não lhe chegava para a água da rega. Mais cedo ou mais tarde tinha que secar, mais valia que fosse agora, enquanto ela ainda pudesse ver. Disse que fala com as plantas todos os dias até secarem e que isso lhes dá uma morte acompanhada. Eu fiquei a pensar que ultimamente me liga mais do que nunca.

Estes dias (foram brancos)



Eu - na última semana

Tão alinhadinha por dentro,
que até parece mentira.

31/08/15

Os nomes

Perguntaram-me se tinha dado este nome ao blog porque gostava de médicos.

Sobre aquecer

Fui uma menina demasiado protegida
(...)
e eu voltei para casa de minha mãe
onde fazia mais frio que na Holanda.

Adília Lopes, Obra, A poor young shepherd (a primeira frase), Os abafos (o restante).

Estes dias (foram redondos)






29/08/15

A minha avó (5) - dotes culinários

'Avó?'
'O que é que queres?'
'Como é que se fazem carapaus alimados?'
'Arranjas os carapaus...'
'Mas eu não sei arranjar!'
'Então e já entregaste o teu trabalho?'

(Tenho uma avó que confia pouco na minha capacidade de arranjar peixe. Injusto.)

A minha avó (4)

'Avó, preferias estar viva ou morta?'
'Viva! Não sei se depois quando morrer não vai ser aborrecido...'

(sei onde fui buscar o optimismo!)

21/08/15

O meu ex-professor convidou-me para ir falar à escola secundária sobre as minhas experiências por lá e posteriores

Aqui têm, não precisam de mim.

Eu a achar que tinha imenso potencial literário

Escrevi uma vez um conto sobre uma rapariga que estava presa no quarto e quando descobria como é que se abria a porta, o mundo tinha acabado e só sobrava o seu quarto, o que fazia com que ela acreditasse que estar preso é melhor que estar livre. Depois, morria de fome.

Trágico.

Esta ideia iluminada ocupou umas boas quarenta páginas. Terminei e achei que devia publicar nalgum lado. Senti agora desejo de satisfazer a Laura adolescente.

Uma questão de género

A minha família só tem mulheres.

De novo a minha avó (3) - Prioridades divinas

'Oh avó, gostas mais de mim ou de Deus?'
'Ai filha, deixa-me em paz.'
'Eu acho que devias gostar mais de mim, porque estou mais vezes contigo do que Deus e elogio sempre a tua comida.'
'Eu não tenho que cozinhar para Deus.'


De novo a minha avó (2)

A minha avó arranjou um namorado com menos dez anos que ela. É moreno, tem olhos azuis e é simpaticíssimo. Quando lhe perguntei se eram namorados, disse-me que eram companhia um do outro, que pessoas da idade dela já não namoram, só dormem juntos e dão beijinhos na boca por companhia.
Descobri que a minha avó é adolescente e está a ter uma curte prolongada.

O mesmo livro

Descobri que dois andares acima há um vizinho que tem o mesmo livro que há no quarto. Há qualquer coisa de romântico nisto: no mesmo prédio, duas pessoas que não se conhecem têm o mesmo livro e até o podem ler ao mesmo tempo.
É como se fosse uma ligação invisível, ainda por cima através da Adília Lopes, que liga tudo a tudo.

18/08/15

De novo a minha avó

A minha avó chama-se Maria Vieira da Silva. Só que é 'de Fátima', não é Helena.
Ainda esperava que a genética dos nomes me pudesse dar outros destinos mais artísticos, mas aquilo que herdei não passou da capacidade de fazer ervilhas com ovos.

16/08/15

Das profissões

'Ernst Junger nasceu a 29 de Março de 1895 em Heidelberg. (...) romancista, ensaísta, teórico, naturalista, diarista.'

Sou eu. Diarista.

Votar

1) Eu não votaria num partido que utilizasse modelos para fazer a sua publicidade política sem o seu consentimento; por isso não votaria no PS.
2) Também não votaria num partido que utilizasse como trunfo o erro cometido pelo partido 1) para se vangloriar, só porque as pessoas nos seus cartazes deram consentimento - são efectivamente modelos. Por isso, não votaria no PSD.
3) Por último, não votaria num partido que, além de cumprir 2), ainda acentuasse mais o erro do adversário (?), produzindo cartazes que enxovalham qualquer um. Por isso, não votaria no BE.

Eu gosto tanto de política, de teoria política, mas detesto este disparate todo. A capacidade de se identificarem com 'as pessoas pobres e desempregadas' é proporcionalmente inversa à capacidade de se identificarem com gente de outros partidos que não o seu.
É de uma falta de empatia incrível.

Do trabalho

Acho que sempre que tenho que escrever alguma coisa académica, sai meio panfletário, meio piroso.

Siempre me quedara


Hay un trozo de luz 
en esta oscuridad 
para prestarme calma.

13/08/15

O Cantador


Esta música é uma das minhas de eleição.
Cantada pelo meu conterrâneo ;)

Vontade individual

O Estado não pode abdicar da pretensão de determinar a vontade individual de especular sobre ela e de contar com ela. Para ele é absolutamente necessário que ninguém tenha vontade própria; se alguém a tiver, o Estado tem de a eliminar (prendendo-o, exilando-o, etc.); se todos a tivessem, poderiam abolir o Estado.

Max Stirner

Ao telefone

- Então, o que tens feito?
- A minha tese... Estou cansada disto...
- Ainda? Mas ainda não acabou?

NÃO, NÃO ACABOU, SEU F*DAMÃE! AGORA CALA-TE E DEIXA-ME TRABALHAR.

(O meu estado de irritação obriga-me a fechar a loja.)

12/08/15

Hoje:

Não te esqueças do entusiasmo, Laura
não te esqueças!

Regresso

Regressámos das férias à pressa porque nenhuma de nós aguentava estar longe das nossas coisas. A nossa vida é muito melhor durante o ano inteiro; para quê fazer pausas naquilo que é bom?

10/08/15

Sobre rezar

Sempre achei que, onde fica o Oeste, devia ficar o Este. Nem sequer sei onde é que está o mar ou o rio e foi isso que me fez pensar que, se fosse Muçulmana, as rezas iriam sempre parar às cidades erradas.

Eu - Quando estou a precisar de uma conversa

Um dia todo em silêncio,
uma sopa quentinha
má poesia
e conversar a sério.

Ter coisas urgentes

e nada parecer realmente urgente.

Zero

Zero visualizações hoje, neste blog.
Tão sozinha, tão bom.

03/08/15

Agradecimentos

Há dois meses, os agradecimentos da minha tese ocupavam uma página inteira.
Hoje, ocupam quatro linhas incompletas. De repente, tenho pouco a justificar para fora e nem um único agradecimento por favor.



David Lynch sobre o seu futuro

I don’t know what my future is. I don’t have a clue what I’m going to be able to do in the world of cinema.

02/08/15

Sobre pecar

O seu [dos cristãos] único pecado é a sua imaginação.

Max Stirner, O Único e a sua Propriedade, p. 281

Carta ao Pai (20)


Ignorar teu choro
E só cuidar de mim.

Sobre os sentidos

Nós temos cinco sentidos, mas isso não quer dizer que não haja mais elementos para captar. Nós também não podemos comparar a nossa inteligência com a de um cão, porque o cérebro deles é diferente e serve outro organismo. O cérebro do Passos Coelho, por exemplo, não serviria de nada a uma vaca. Os nossos sentidos influenciam o nosso pensamento e têm uma interligação entre eles. Eu não tenho olfato, mas é espantoso porque há memórias que sinto no nariz. Lembro-me de ir a uma loja com o meu pai comprar uma caixa de lápis de cor. Essa recordação está no nariz, mas não tem cheiro porque nunca tive olfato.

Desta entrevista, com António Victorino d'Almeida

01/08/15

Do fingimento

Levanta-se sempre mais cedo que eu e leva-me fruta à cama. Deixa-me comê-la em silêncio e eu gosto e finjo que resmungo de sono só para receber mais um beijinho. Ela finge que não percebe que é de mimo e dá beijinho à mesma.
Nunca mais fingi saudades quando o que queria era estar sozinha. Há poucas pessoas que se mostrem todas e eu acho que me tornei numa delas. Era tão dissimulada só para agradar.

Drão

Os pecados são todos meus
Não há o que perdoar
Por isso mesmo é que há-de haver mais compaixão.

27/07/15

All day and all of the night

Girl, I want to be with you
all of the tiiiimeee.

Sobre o nada que é criador


"A primeira criação, pelo contrário, tem de sair «do nada», isto é, para a concretizar, o espírito dispõe apenas de si próprio; ou melhor, nem de si próprio dispõe, tem de se criar a si próprio: por isso, a sua primeira criação é ele próprio, o espírito. Por mais místico que pareça, é de facto uma experiência quotidiana. Serás tu um ser pensante antes de pensares? Ao criares o primeiro pensamento, crias-te a ti próprio, o pensador; pois não pensas antes de pensares um pensamento, ou seja, antes de o teres."

Max Stirner, O Único e a Sua Propriedade, p.31.

25/07/15

Sobre uma política cultural adequada

No dia em que houver uma política cultural realmente digna e levada a fundo, isto é, uma política em que todas as manifestações de cultura (...) forem postas ao serviço do progresso e do enriquecimento do nosso espírito, acabar-se-ão as incompreensões e a ideia de "acaso", de extravagantes e quase palhaços que se fomenta no povo sobre o artista.

Compreender-se-á a importância do seu papel na sociedade.

Antoni Tàpies, ibidem.

24/07/15

Off.

Hoje, nem a mim me suporto. Estou com o maior mau feitio de sempre.
(Já para não dizer que parti dois copos e um prato na Gulbenkian. Não mereço.)

Porque é que eu ainda não ganhei dinheiro nenhum?

Ai meu Deus, porque é que eu não tenho dinheiro? Porque é que que eu ainda não ganhei dinheiro nenhum? Porque é que eu ainda não aprendi nada? 

Ah, mas eu já aprendi qualquer coisa. Não se pode dizer que ainda não tenha aprendido nada. Toco piano, falo francês, inglês e até um bocadinho de italiano, frequentei seminários de história de arte.

Ha ha! E mesmo que tivesse aprendido qualquer coisa mais útil, de que é que isso me servia?

Arthur Schnitzler, Menina Else, Edições Cotovia, Lisboa, 2008, p.22.

22/07/15

O seu a seu dono

Não há remédio senão gritar e bater com força quando achamos, como dizia não sei que poeta beatnik, que o mundo não pode funcionar bem enquanto não conseguirmos, com a nossa luta e os nossos escândalos, que os honrados representantes da ordem sejam colocados no lugar que lhes corresponde, isto é, no de cobradores de eléctrico.

Antoni Tàpies, Declarações, A prática da Arte, Cotovia: 2002.

Hayao Miyazaki


20/07/15

Sobre a claridade

Entre os que se entendem há demasiada claridade.

Agustina Bessa-Luís, neste blog.

Carta de amor para Virgínia Woolf

Estou reduzida ao desejo por Virgínia [I am reduced to a thing that wants Virginia.]. Durante as negras horas de insónia, escrevi-te uma carta, que entretanto se evadiu: sinto desesperadamente a tua falta, de um modo simples e humano. Tu, com todas as tuas inteligentes cartas, nunca escreverias uma frase tão elementar como esta; talvez nunca a tenhas sentido. E, apesar disso, eu creio que serás sensível ao que digo. Só que, se fosses tu, tornarias esta frase tão requintada que ela perderia o seu sentido.

Eu vou directamente ao ponto: sinto mais a tua falta do que poderia ter imaginado; e estava preparada para sentir a tua falta. Então esta carta é só uma sequela da dor. É incrível quão essencial te tornaste para mim.

Suponho que estejas habituada a que te digam estas coisas. Caramba, criatura mimada; eu não deveria conquistar-te submetendo-me desta forma - mas, oh, minha querida, não consigo ser inteligente e distante de ti; eu amo-te demais para isso. De uma forma demasiado sincera. Tu não fazes ideia quão distante eu posso ser daqueles de quem não gosto. Aperfeiçoei esta característica; mas tu fizeste-me baixar a guarda. E eu não me arrependo.

Não te aborrecerei mais.

(...)

Por favor desculpa-me por te ter escrito com uma letra tão trémula.

V. [Vitta Sackville-West]



Vitta foi uma das namoradas de Virgínia Woolf, aquela que deu origem ao Orlando, livro e personagem. Esta carta foi escrita a 21 de Janeiro de 1926.

A versão original da carta encontra-se neste site e eu traduzi, a partir de lá, este excerto.

Eu vim de longe


E quando a fronteira me abraçou
Foi esta bagagem que encontrou.

Das palavras proibidas (5)

A primeira vez que ouvi a minha mãe dizer merda já estava na faculdade. Parece que há uma certa idade para se aceder a determinadas palavras. O problema é que o sentido da palavra já crescia dentro de mim e eu não sabia como expressá-lo. Bela merda.

17/07/15

Formar um novo conceito de realidade

Se conseguirmos formar um novo conceito de realidade, não é por capricho pessoal, mas sim por factos concretos que acontecem à nossa volta. Não se trata, portanto de uma visão particular, isolada, mas para esta visão participa e contribui, com o seu intercâmbio mútuo, todo um sector de uma geração, aquele que é realmente vivo e que está presente nos nossos factos, e que poderíamos qualificar como grupo de intelectuais progressistas ou de vanguarda.

Vamos sempre a par, ou deveríamos ir, do filósofo, do cientista e até mesmo do político progressista. (...) Há, ou devia haver sempre, um diálogo constante e um caminhar paralelo entre as diferentes disciplinas intelectuais e o trabalho do artista.

Antoni Tàpies, A Prática da Arte, Cotovia: 2002.

16/07/15

Um pombo pousou num ramo a reflectir na existência (Roy Andersson)

O trailer aqui.

Sem qualquer questão, um filme que me desfez
nós na cabeça e me fez sentir compreendida. 

Estou toda cafeinada!

Hoje fui ao quarto café. Quer-me parecer que quando terminar a tese, vou passar uma semana a dormir. Ou isso, ou isso.

Das palavras proibidas (4)

Não me deixavam dizer algumas palavras, mas nunca me impediram os provérbios.
Depois mandaram-me para a faculdade e eu só tinha erudição forçada. Tive pena, mas tristezas não pagam dívidas.

Menina a pentear-se

Kotondo Torii, 1929.

(que linda, que linda, que linda.)

15/07/15

Josephene Corbin

Nasceu com dois corpos perfeitamente funcionais da cintura para baixo e um único tronco e cabeça. A mim, é mais ao contrário.

Metamorfose Ambulante



Ontem estive a ler o meu blog antigo. Meu deus.