12/12/14

Como é ser um morcego?

Se há hipóteses engraçadas na filosofia, elas estão quase todas dentro da filosofia política (cof cof!) e da filosofia da mente. Este artigo é um dos que valem a pena.

Alguém cantando


Absolutamente divino.

10/12/14

Pernas abertas, costas curvas, dedos hirtos

as jogadas faziam com que os berlindes
traçassem carreiros de pelinhos eriçados
na alcatifa.

a cada lance, eu decidia se queria alçar a perna
para o outro lado da varanda

ou se continuava
sentada
a jogar ao berlinde.

Do dia (18)

Hoje, organizei um arquivo de imagens. Recortei meninas nuas, comprei uma revista sobre a Yourcenar e dei a ler a primeira coisa que escrevi para a tese. Poucas vezes tive tanto receio de receber um mau comentário. Comprei uma prenda de Natal, li Nietzsche, mas não resisti à Yourcenar e foi com ela na memória que tomei apontamentos. Bebi três cafés. E um bocadinho de outro. Desejei estar sozinha e é como estou. Fiquei a cheirar a tabaco e estreei uns sapatos que me lembram a Virgínia Woolf. Doeram-me os pés, mas não me queixei: a dor é um fantasma que cobre o silêncio.

09/12/14

Tigresa


Com alguns homens foi feliz,
Com outros foi mulher. 
Mas ao mesmo tempo diz que tudo vai mudar
Porque ela vai ser o que quis,
Inventando um lugar. 

08/12/14

The super-animal

The beast in us wants to be lied to; morality is a white lie, to keep it from tearing us apart. 

F. Nietzsche, Human, all too human, pt.1, Wordsworth editions, p.40. 

07/12/14

Goethe fala aos jovens

Goethe disse: 'aos meus amigos, os jovens poetas, digo: na verdade, já não tendes nenhuma espécie de norma. Vós mesmos tereis que a fazer: a cada novo poema perguntei se ele contém algo que tenha sido vivido e se essa vivência vos fez avançar. 

Passar o tempo a lamentar a amada perdida, levada pela distância, pela infidelidade, pela morte, isso não será avançar! Isso não vale nada, por maior engenho e talento que empenheis. Atende-vos ao curso da vida e verificai de vez em quando se o momento que passa mostra que ainda estais vivos'. 

A nós, interessa viver. Criar percursos postiços onde todos os estímulos (...) sejam vividos por dentro por cada um que os percorra. 

(...)

Misturar o público na acção; abolir o público, abolir a ordem exterior, a memória, o modelo. Procurar o con-tacto da pele, o cheiro, o gosto: deixar essa língua falar, só essa, enredada noutras. 

Alberto Pimenta, Acerca da poética ainda possível in A Ideia Anartista, p. 7-10, Lisboa, Outubro 1983. 

05/12/14

No metro

Estou sentada à espera do comboio. Ao meu lado está uma adolescente muito inquieta. Pergunto: 
- Desculpa, precisas de alguma coisa? 
- Olha...tens pensos higiénicos? 
- Não, mas tenho tampões... 
- Ah, isso não. Vou ser virgem até ao casamento.  

04/12/14

Menina Bonita


Oh!, Oh!

Carta ao Pai (14)

Está em causa, não a verdade dos fantasmas, mas a sua potência de dominação.

J. Bragança de Miranda, Posfácio de O Único e a Sua Propriedade, P. 306

Coup de Dès

Um lance de dados jamais abolirá o acaso.
Todo o pensamento produz um Lance de Dados.

Mallarmé

Vale muito a pena ler o poema completo e explorar mais sobre ele.

Stirner (4)

Um dia destes
acendo uma velinha.

Congenital defect of philosophers

All philosophers suffer from the same defect, in that they start with present-day man and think they can arrive at their goal by analysing him.

Nietzsche, Human All Too Human, Pt.1, trad. Helen Zimmer and Paul V. Cohn, Wordsworth Editions, p.12.

O Passarinho e o Cigarro


03/12/14

Os eus dos outros

Em quantos roubos, de toda a espécie, não tive eu de consentir ao longo da história do mundo, concedendo o sol, a lua, estrelas, gato, crocodilos, a honra de passarem por eu; depois veio Jeová, Alá  e Nosso Senhor e ofereci-lhes também o presente do eu (...) e veio o Estado, a Igreja, com a pretensão de serem eus, e eu deixei-me ficar calmamente a olhar. Não admira que aparecesse sempre um eu real para me dizer na cara que não era o meu tu, mas o meu próprio eu.

E assim fui vendo sempre o meu Eu acima de mim e fora de mim, sem nunca conseguir chegar verdadeiramente a mim..

Stirner, O Único (...), p. 178.

02/12/14