31/05/14

No jardim

(Criança de quatro anos brinca)

'Oh Quico! Venha cá! Pare de se comportar como uma criança! Seja cidadão!' 

30/05/14

Eu - A tratar a insónia


Dona Laura


Olha a Laurinha lá vai toda destemida
Diz que é crescida e que prescinde dos conselhos do pai
Olha ela, lá vai toda decidida
Dona da vida nem duvida que é por ali que vai.

Mais que fazer anos, gosto de músicas com o meu nome.

Espíritos

'O Banco Espírito Santo devia ter como logotipo uma língua.'

29/05/14

Eu - Quando me dizem que não devia estar cansada porque a minha vida é só estudar

-Pór qué té dicén ésó, ámiga?
-Pór qué no tiénen considéración pór mi, cámáráda.

Na cafetaria

(Ao telefone com a amiga.)

'Não foi bom, Sandra. Ele disse que o meu piercing do umbigo cheira mal. O pior de tudo é que não chego lá para confirmar.'

Eu - Em preparação para o teste de Francês


Fascismos e mulheres

Não pude resistir...

Limpezas

Levaram-me os detergentes.
Por incrível que pareça, é agora que estou de alma lavada. 

Acto cego de viver


My dear, beloved Johan... 
You've become so small.

(Cenas de uma vida conjugal)

28/05/14

Seduções alheias


Daqui.

Eu - Este fim-de-semana

Wait for the new neighbors' adventures, folks!
Arrey-hoy!

Eu - Quando tenho MESMO que trabalhar

É o mesmo todos os semestres. O meu corpo reconhece o tempo, não há como falhar.
Alguém para me vir trazer uma sopinha e contar histórias até adormecer?

Na secretaria

'Lá por fazer parte das nossas competências, não significa que nós as cumpramos sempre.'

Não sabe quem sou?

Eu à porta de um congresso a assinalar que oradores vão marcando presença:

'Bom dia! A senhora é oradora? É que estou a anotar quem ch...'
'Sou a Olinda!'
'...'

Os analfabetos votantes

'Laura, os analfabetos votam?'
'Votam...'
(silêncio pensativo)
'E votam com cruzinha ou com impressão digital?'

Gold


I didn't know if you wanted to,
when I came to pick you up.
But you didn't even hesitate,
and now you and me are on our way.

26/05/14

Eu - Quando me estou a inspirar para mais uma época de trabalhos


Slavoj

'Well, people ask me why I still support death penalty.'

Acompanhado de um texto também provocador, aqui.

Eu - Quando colegas defendem nacionalismos

-Qué dólór, cáriñó.
-Pór qué?
-Pór qué hé déscubierto que quien há votado en Márinho i Pintó se sienta a mi lado en cláse.

Cartas (agora ando nisto da correspondência)

Querida Laura,

espero que já tenhas percebido que os outros também são inseguros; e que isso não faz mal. Que quando te desapaixonas e te confrontas com isso, parece que nem consegues respirar - e quando te voltas a apaixonar, a respiração é quase tão difícil.

Também espero que percebas que não deves ter vergonha de gostar de João César Monteiro, de declamar poesia em voz alta só para ti, imaginando um público e de, ao mesmo tempo, não saberes apreciar literatura ou arte como gostarias. Não é presunçoso quereres aprender e não faz mal gostares do que gostas. Não tem importância se gostas de te maquilhar todos os dias - só por estares em filosofia, isso não significa que tenhas que gostar da forma como os filósofos se arranjam.

Mas, sobretudo, compreende isto: todos temos podres e não faz mal - repito, não faz mal! - se eles te surpreenderem (os teus e os dos outros). É sinal que ainda não morreste e há muito que ainda não sabes.

Por último: o que tem realmente importância é se tratas com delicadeza a bagagem dos que vêm. É que às vezes é tão grande, que tu pensas que estás a ver tudo e não estás.

Alguém para tchim tchim?

25/05/14

Eu - Perante o resultado das Europeias


Das opiniões mais lúcidas sobre o assunto: no Machina Speculatrix, no Social Europe Journal e, mais filosoficamente e não em específico sobre as Europeias, no Ponteiros Parados.


O Ocidente da Europa decidiu assim:

Movimento Cinco Estrelas (Itália) - 22%, segundo lugar.
Frente Nacional (França) - 25%, vitória.
Partido Independente do Reino Unido (Reino Unido) - 29%, vitória.
Aurora Dourada (Grécia) - 9%, terceiro lugar.
União Progresso e Democracia (Estado espanhol) - 6,5%, quinto lugar.
Movimento Partido da Terra (Portugal) - 7%, quarto lugar.


Que lindo. Vamos 'ponderar longamente'. 
Querido Marinho.
Daqui.

Ai se sesse


Ai Se Sesse
Zé da Luz


Se um dia nois se gostasse
Se um dia nois se queresse
Se nois dois se empareasse
Se juntim nois dois vivesse
Se juntim nois dois morasse
Se juntim nois dois drumisse
Se juntim nois dois morresse
Se pro céu nois assubisse
Mas porém acontecesse de São Pedro não abrisse 
a porta do céu e fosse te dizer qualquer tulice
E se eu me arriminasse
E tu cum eu insistisse pra que eu me arresolvesse
E a minha faca puxasse
E o bucho do céu furasse
Tarvês que nois dois ficasse
Tarvês que nois dois caisse
E o céu furado arriasse
e as virgi toda fugisse!

Homem do mato


A Família

Vamos à pesca
disse o pai
para os três filhos
vamos à pesca do esturjão
nada melhor do que pescar
para conservar
a união familiar

a mãe deu-lhe razão
e preparou
sem mais detença
um bom farnel
sopa de couves com feijão
para ir também
à pescaria do esturjão

e a mãe e o pai
e os três filhos
foram à pesca
do esturjão
todos atentos
satisfeitíssimos
que bom pescar
o esturjão!

que bom comer
o belo farnel
sopa de couves com feijão!
e foi então
que apanharam
um magnífico esturjão
que logo quiseram
ali fritar

mas enganaram-se na fritada
e zás fritaram o velho pai
apetitoso
muito melhor
mais saboroso
do que o esturjão



vamos para casa
disse o esturjão.


Mário-Henrique Leiria

Tus pies

Mas se amo os teus pés
é só porque andaram
sobre a terra e sobre
o vento e sobre a água,
até me encontrarem.

Pablo Neruda

24/05/14

Carta ao Pai


Querido pai,

Tu perguntaste-me recentemente por que afirmo ter medo de ti. 

Eu não soube, como de costume, o que te responder; em parte justamente pelo medo que tenho de ti, em parte porque existem tantos detalhes que justificam esse medo, que eu não poderia reuni-los de modo mais ou menos coerente.

Para ti as coisas pareciam ser mais ou menos assim: trabalhaste muito durante a tua vida inteira, sacrificaste tudo pelos teus filhos, e sobretudo por mim, enquanto eu “vivi numa boa”; 

Por causa disso, gozei de toda a liberdade para estudar o que bem quisesse, não precisei de ter nenhuma preocupação com o meu sustento e, portanto, nenhuma preocupação, fosse qual fosse; não exigiste gratidão em troca disso, tu conheces “a gratidão de teus filhos”, mas pelo menos um pouco de boa vontade, algum sinal de simpatia; em vez disso eu sempre me encafuei no meu quarto, com os meus livros.

Jamais fui ao teu encontro. Jamais te visitei.

Se resumires o teu veredicto a meu respeito, darás conta de que não me acusas de nada indecoroso ou mau, mas sim de frieza, estranheza, ingratidão. E tu acusas-me de tal modo, como se fosse culpa minha, como se eu pudesse, com uma guinada no volante, por exemplo, conduzir tudo para outra direcção, ao passo que tu não tens a menor culpa a não ser, talvez, pelo facto de teres sido demasiado bom para comigo.

Seja como for, éramos tão diferentes e nessa diferença tão perigosos um para o outro, que se alguém por acaso quisesse calcular por antecipação como eu, o filho que se desenvolvia devagar, e tu, o homem feito, se comportariam um em relação ao outro, poderia supor que tu simplesmente me esmagarias sob os pés, a ponto de não sobrar nada de mim.

F. Kafka, Carta ao Pai (excertos escolhidos por mim)

Eu - Quando me perguntam o que vou fazer com este curso

Hoje foram três vezes. Um dia compro uma empresa de balas.

Chega de saudade


Dentro dos meus braços, os abraços
Hão-de ser milhões de abraços

Eu - Quando me perguntam se em 10 minutos me despacho

Suponho que me queiram nuinha da Silva.

23/05/14

Distinções

Hoje disseram-me que devo cobiçar o céu, mas ter raízes profundas na terra.
Eu cá cobiço as pombinhas da Catrina: é que andar de mão em mão é muito mais giro do que só crescer para cima.

Nunca fui muito profunda.

Dar cabo do pó

'A minha mãe diz que sou uma nazi a limpar a casa. Que trato o pó como se fossem judeus.'

Eu - Quando me perguntam se quero ser professora de Filosofia


Chás e Cafés

'Não quer um chá?'
'Estou bem com café, obrigada.'
'E se for um chá e um livro? Vai?'

21/05/14

Eu - quando está a chover em finais de Maio


Confidências

O que eu gostava mesmo era de ser uma erudita despreocupada.

Imagino-me a fumar num jardim, com os olhos semi-abertos, uns óculinhos redondos, a ler uma primeira edição de um filósofo alemão do século XVIII. Quando falassem comigo, olharia por cima dos óculos e daria uma resposta de três ou quatro palavras que deixaria o meu interlocutor espantado.
Nas aulas, não tomaria apontamentos nem faria perguntas - em vez disso, estaria a escrever poesia ou a desenhar. E esses pedaços de papel seriam, mais tarde, objetos de museu.

Em vez disso, quando passo em garagens abertas, pontes e que tais, digo 'ah!' com força, para ouvir o eco. Rio e falo, alto e muito. Gosto de um certo burburinho de fundo.

Quanto aos jardins, só os uso para adormecer ao sol e não dar conta de que me estou a babar em frente a toda a gente.

Cantar à mesa

'Laura, não se canta à mesa' - assim dito, como verdade indiscutível.
E eu acreditei a tal ponto que, no outro dia, estávamos a almoçar e a jogar um dificílimo jogo de cartas de monstros de ouro e transparentes - que me esforcei inutilmente por ganhar -, quando o miúdo trauteia qualquer coisa.

É verdade que o esforço para comer a canja foi mais que muito e que só começámos a jogar para ver se se engoliam umas colheradas distraídas, mas mesmo assim não pude deixar de sentir culpa por ouvi-lo cantar. Sem a mãe o repreender.

Por isso, trauteei eu também e fiz as pazes com as minhas refeições de infância.

Elisa


Ainda não despertei. Nem sequer quero - é que foi tão bom.

20/05/14

I have a bad case of diarrhea


Do dez em Montreal

Quando eu tinha 14 anos, 
as Torres Gémeas haviam caído há pouco tempo, 
eu acabava de entrar no secundário,
e o Sadam tinha sido enforcado.



(Sou uma poetisa - chovem contratos.
Oh! Chovem contratos, contratos.
Contratos em malhas que o império tece
Leve, levemente, chovem contratos.
Venham contratos, venham! Pim!)

16/05/14

Na papelaria

Folheando a Caras, abre na página com fotografia da Conchita. 
'Como este não deve conseguir arranjar uma mulher, fantasia-se dela para poder dormir todas as noites acompanhado.'

15/05/14

Livros que são veneno

Século XVII: caixa para guardar veneno, disfarçada de livro.

Nas obras

'Estamos há duas horas à espera do Sr. Engenheiro. Assim não podemos começar o trabalho. O que fazemos?'
'Continuamos à espera.' 

Eu acho que estão à espera de Godot. 

14/05/14

Na fila para almoçar

'Eu só vou almoçar sopa.'
'Porquê? Assim ficas com fome...'
'Para daqui a bocado vir almoçar oficialmente com ele e não parecer que como demasiado.'

No café

'Cinco cafés: um cheio, um em chávena fria, um com gelo, um pingado e um com adoçante.'

13/05/14

Eu - Quando me dizem que só há homens na política, porque as mulheres não compactuam com corrupção


No café

'A menina tem lume?'
'Não fumo, senhora...'
'Olhe, eu fumo há mais de sessenta anos e ainda não morri. Não vá pelo que lhe dizem! Pense por si própria!' 
 

Bibliotecas

“A library is a good place to go when you feel unhappy, for there, in a book, you may find encouragement and comfort. A library is a good place to go when you feel bewildered or undecided, for there, in a book, you may have your question answered. Books are good company, in sad times and happy times, for books are people - people who have managed to stay alive by hiding between the covers of a book."

[Letters of Note; Troy (MI, USA) Public Library, 1971]”
― E.B. White

O professor Sá Couto

Tinham-me dito que era o melhor professor de Filosofia do secundário na ilha. O meu próprio professor havia sido seu aluno e tinha-lhe uma inigualável estima. Foi assim que mudei de escola, a meio do secundário - só para saber um bocadinho mais.

A sala de aula cheirava sempre a vinho. Mas nós não nos importávamos, porque as aulas eram realmente boas. Foi lá que conheci Kant a sério e foi lá que li um excerto da Crítica da Razão Pura sem perceber e a dizer que percebia. Viu que eu não compreendia nada e, sem menosprezar a mania própria da idade, explicou.

Pedi-lhe conselhos sobre universidades. Empurrou-me para Lisboa, apesar de ele ter estudado no Porto. Segui-lhe o conselho e fiz bem. De vez em quando trocávamos mails - e ele dizia-me sempre 'isso está tudo muito certo, mas não te esqueças de viver!'.

Nem sei bem como expressar a forma como ele mudou a minha perspetiva de vida e como ele me encaminhou em termos de estudos.
Por isso, é com pesar que me despeço.
Cumprimentos ao Kant, professor!

12/05/14

Pina




O poeta


Eu - Em arrumações


Memórias

O anfiteatro onde tive a minha primeira aula na faculdade cheirava a madeira e as cadeiras estavam lisas de gastas - mas eu nem lhes senti o desconforto.
Entrou o professor, atabalhoado, com um ligeiro atraso e a voz pela qual esperava. Escondi a cara e chorei um bocadinho - foi quando soube que pertencia ali mesmo.

Eduardo Lourenço

'Eu sei que o que interessa às pessoas é o insólito, o estranho, o escandaloso, e que se procura isso para ver se os outros são como nós. Se, afinal de contas, são tão miseráveis como nós.'

'Só me interessa o sentido das coisas, não propriamente a realidade das coisas.'

Mais, aqui.

Não sou uma mulher de verão


10/05/14

No autocarro

'É que a vizinha estava no andar de baixo, eu estava no de cima e nenhum deles reparou! Continuaram naquilo!'
'Ah... Que saudades dos tempos do esquecimento, Leontina...'

08/05/14

Love letter






Feb 27 /45

My darling sweet wife,

I just finished a few letters to the folks and here I am back with you.

Darling I can’t get over your two pictures, you look so lovely it just breaks my heart having to miss all this time, by not being with you.

I am terribly in love with you and how I want to make you happy I can’t describe. 

Perhaps its sadism on my part, but I am almost glad of this long wait for you. How much more will I appreciate your loveliness and kindness when war! Darling this is a good lesson, perhaps a hard one, but I am sure it will make a better man and husband of me when I get back. 

I always tried to be somewhat considerate to you, but I have been many a time impatient, picky on small things and many ways also inconsiderate. That is all over, knowing what fine girl you are, there is nothing in the world that I would deny from you. When we will be together after the war is over, there is no power on earth that will be able to take me from your side, not even for a few days.

Believe me darling, I do regret every moment that I did not spend at your side.

O resto da carta, aqui.

Eles - Quando eu digo que vivo em Coimbra e sou anti-praxe


Gostos




Já estou confortável no seu amontoado bucólico; puxa-me para si,
porque o amor é uma coisa e a vida é outra.

Sim! Sim! Siiiim!


Fahrenheit 451


'We've got to be alike. The only way to be happy is for everyone to be made equal. 
So... we must burn the books, Montag. All the books.'

07/05/14

Sementes

É claro que me lembro. Havia dois atalhos
pelo meio do pinhal, direcções espantosamente
precisas, animais que não voltei a ver.


Enquanto as colheitas amadureciam nos ca
mpos,
havia talismãs pendurados nas árvores e mercúrio
para tratar certas lesões, uma peça vital
do equipamento. Havia girassóis à volta da casa
e as palavras imortais dos espantalhos, uma forma
de evitar que endoidecêssemos. E havia um muro
que era preciso saltar, a manhã gloriosa
da escalada, a ciência das grandes migrações.

Este é o meu corpo. Esta é a minha mente.
Conhecem-se desde a infância e cumpriram pena juntos.
Mas não vale a pena entrar em mais detalhes.

Do futuro nada sei. Apenas que vem aí.

Vítor Nogueira, Segunda Voz

Comida Leitora

Na biblioteca:

'O menino não pode comer aqui; é um espaço de leitura.'
'Não estou a comer, estou a consultar o livro por entre migalhas.'


Afinal o Estado Novo era fixe!


Eu - Quando me dizem que têm prioridade na fila porque são 'doutores' (de praxe)

Blink, blink

06/05/14

Voz da Consciência

'O que é um ser moralmente consciente?'
'É um ser que tem um grilo falante no coração.'


Descriancei

'Os seus documentos, Dona Laura'.

Assim, sem piedade.

Quando é que deixei de ser Laurinha para ser dona de mim?

Frau Freud

Ladies, for argument's sake let us say
that I've seen my fair share of ding-a-ling, member and jock,
of todger and nudger and percy and cock, of tackle,
of three-for-a-bob, of willy and winky; in fact,
you could say, I'm as au fait with Hunt-the-Salami
as Ms M. Lewinsky - equally sick up to here
with the beef bayonet, the pork sword, the saveloy,
love-muscle, night-crawler, dong, the dick, prick,
dipstick and wick, the rammer, the slammer, the rupert,
the shlong. Don't get me wrong, I've no axe to grind
with the snake in the trousers, the wife's best friend,
the weapon, the python - I suppose what I mean is,
ladies, dear ladies, the average penis - not pretty...
the squint of its envious solitary eye...one's feeling of pity...


Carol Ann Duffy, The World's Wife, 1999

Certezas

'O lugar certo para se estar é o da interrogação. E eu tenho razão!'

Feminismos

'Não sei se vocês, algum dia, viram um homem com H grande - eu cá nunca vi.'

05/05/14

Nagisa Oshima

Death by Hanging
(Se não tivesse nascido em Portugal, tinha nascido no Japão. E ficaria bonita quase sem sobrancelhas. Já mencionei que adoro cinema 'oriental'?)

Choros

Uma rapariga chora tanto que lhe sai a alma. Descompassada, geme 'o pai, o pai'.
Há mais de 30 minutos que ali está, amparada pelas amigas.
Acalma-se, para recomeçar.
'O pai...'
'O pai...'.

Aproxima-se o professor, que lhe pergunta aborrecido 'mas o que é que foi?'.
Ela levanta-se e, estridente, diz 'o meu pai ia emigrar hoje, mas acabou de morrer.'

Relações

'O sexo é só a questão mais prática do amor.'

Eu - A ver pessoas com dificuldades a gastar 200 euros em traje académico



01/05/14

Se eu pudesse explicar quão gosto disto...


If I ever get on my feet again
Everybody wants to be my old long-lost friend

Imagino-me num bar com um nevoeiro de fumo, uma cigarrilha e o cabelo ondulado junto à testa.

Memling

Ultimamente, lembraram-se de me acusar de daltonismo, num tom de escárnio, como quem diz 'ela é filha do padre'.
Pois gostaria de saber, eruditas, de que cor são as camisolas dos anjos. É que não me apetece mais sentir o vosso risinho cru a entrar-me pelos ouvidos adentro.


Vizinhos #3

Saía de casa apressada, quando encontro os meus vizinhos a sair também. Ela, impecavelmente vestida e maquilhada e ele, de fato e gravata.
'Bom dia'
Só me olharam, nada disseram.

Começo a pensar que Nietzsche estava enganado e que a tragédia nasce ali, naquele silêncio.

#1
#2