30/04/14

Livros

'Já disse à minha mãe que quero ser escritora.'
'E ela?'
'Disse para começar um blogue, que já ninguém lê livros.'

4 comentários:

Sofia Noronha disse...

Hoje estou numa de comentar o teu blogue! :P

O que também se ouve muito é que os mais novos já não lêem, ou que já não se lê tanto por causa das novas tecnologias. Eu acho que isso é um grande disparate.

Primeiro, porque nunca tivemos tanta gente, pelo menos em Portugal, capaz de ler. Antes, eram imensos os que mal conseguiam ler os papéis no supermercado, quanto mais um livro inteiro. Agora, felizmente, já não é assim.

Segundo, porque nunca antes na história alguém tinha ficado milionário por vender livros (sim, estou a falar da J.K.Rowling, mas vieram uns quantos depois dela). E quando é que isso aconteceu? É verdade, no século XXI, o século em que ninguém lê. A fila para comprar o livro à meia noite era tão grande que dava volta ao quarteirão da Bloomsbury.

Terceiro, as ditas "novas tecnologias" contribuem para a promoção da leitura também. Os filmes e séries que adaptam livros são grandes incentivos só por si, mas falo também das páginas de tumblr, dos grupos do Facebook, de redes sociais como o Goodread. Já cheguei a ler um livro em inglês, sem tradução portuguesa, à custa disto.

E pronto, por agora chega. xD

Laura disse...

Bem, que inspiração! :D adoro!

Acho que já tivémos esta conversa... De qualquer modo, acho que já não se lê tanto com tanta qualidade. As pessoas lêem mais, sim, mas o que lêem é lixo. Ninguém conhece os clássicos, as bases de qualquer formação. Ler o Harry Potter é adequado a uma determinada idade, da mesma forma que ler Enyd Blyton ou algum escritor do género.
Há livros que não têm idade - ou melhor, que se estendem.

A JKR teve imensa publicidade e tu sabes disso. Há escritores - como tu tb sabes! - muito melhores que ela que não têm o mínimo de sucesso. Portanto não podes medir a qualidade literária pela quantidade de livros que vendem.

Também acho que o acesso à leitura é infinitamente maior agora do que era há anos atrás - quer pela alfabetização crescente, quer pela facilidade que há em adquirir um livro.

O que me interessa, na verdade, é ter pessoas cultas próximas de mim. E acho que a leitura de certos autores determina o nível de cultura que as pessoas têm - quem diz leitura, diz cinema, diz música. A cultura não está só dependente desses estímulos, mas também está dependente deles.

Laura disse...

Oh Sofia, estive a pensar no meu próprio comentário e quero retificar ali uma coisa. Não há livros 'para idades', há idades para se ler determinados livros. Quero dizer, uma pessoa pode finalmente chegar à idade de ler Eça aos 40 anos, mas também pode chegar a essa idade aos 10. Não quero barrar a JKR e dizer que ela é uma escritora para teens.

Sofia Noronha disse...

Não sei se já tivemos esta discussão, mas é bem possível. xD

Eu percebo o que queres dizer, e até concordo. Fiz o comentário mesmo a pensar na quantidade. Acho é que agora talvez achemos que se lê muita porcaria, mas esquecemo-nos de que há uns anos atrás, as senhoras (e senhores, suspeito eu) liam muitos romances de cordel às escondidas. E também há bem pouco tempo, um escritor como o José Saramago também conseguiu sobreviver da sua escrita, por exemplo. Estou a tentar olhar para a parte positiva disto tudo. =P